Confira a entrevista com Michel Wajs, da Proativa, e saiba como empresas podem ajudar na saúde física e mental de seus funcionários

Em tempos de pandemia, o distanciamento social traz desafios para a gestão de empresas. Entre os obstáculos a serem superados está o auxílio aos funcionários em relação à saúde física e mental.

Para compreender qual o papel das empresas quanto à saúde de seus colaboradores, conversamos com Michel Wajs, sócio-executivo da Proativa, uma corretora de seguros de saúde com foco empresarial.

 

Para ouvir a 20ª edição do Digicast, basta usar o player acima. Se preferir, você pode ler a transcrição da entrevista feita por Pedro Renan, CEO da Digilandia, logo abaixo.

Olá! Bem-vindos ao 20º episódio do Digicast. Sou Pedro Renan, CEO da Digilandia e da Agência Papoca e seu host. 

Hoje, estou muito feliz. Recebo um empreendedor que admiro bastante, o Michel Wajs, da Proativa, para falar sobre como empresas podem ajudar na saúde de seus funcionários, mesmo a distância.

Seja muito bem-vindo, Michel!

Obrigado pelo convite. É um prazer e orgulho sempre estar junto com você e poder contribuir com este podcast incrível.

Falando de Proativa, vocês estão num mercado que já está estabelecido há muito tempo, com modelos estruturados e, às vezes, até arcaicos. Qual o novo olhar que a Proativa traz para a saúde das empresas, pessoas, para o mercado de seguros e planos de saúde?

Você acompanhou bastante da minha migração. Gosto muito de desafios. Num mercado extremamente arcaico, burocrático, existe muita bagunça para a gente conseguir ter um olhar para diversas oportunidades.

O mercado de saúde, somado ao mercado de seguro, representa muito isso. O momento que estamos vivendo de pandemia acelerou algumas coisas, mas, no momento que criamos a Proativa… Meu sócio está no mercado há 12 anos, conhece muito bem. Brinco que ele é o dinossauro da sociedade. Ele tem o olhar muito de como as coisas funcionam e como funcionaram por muito tempo. E eu sempre questionador, vendo como conseguimos colocar graxa na roda.

Num mercado extremamente desafiador e complexo, a disrupção, muitas vezes, vem com o tempo.

O mercado de saúde é gigantesco, complexo, tem muitos players grandes, então optamos, num primeiro momento, em colocar graxa na roda. Ou seja, pegar processos muito manuais e trazer uma automação e uma forma mais digital de trabalhar as coisas. Isso tem tido bastante sucesso.

E na parte de saúde, uma coisa que trouxe muito interessante para dentro da Proativa é lidar na corretora de uma forma como uma startup lida. Tem a área de growth, a área de marketing digital, o design, que fazem com que a saúde seja conhecida, utilizada e entendida. E não um bicho de sete cabeças.

A gente coloca graxa na roda e usa muito a tecnologia para deixar as coisas mais simples.

Até para mim, que não sou do mercado, há um certo estranhamento quando ouvimos seguro de vida, plano de saúde… Dá um certo medo. É como telemarketing, há um estigma de atendimento muito ruim, de coisas muito burocráticas e muito complexas. E temos vários cases de empresas que vieram transformar essas coisas, como Netflix, Uber, o próprio iPhone. 

Como tem sido para vocês o desafio dentro desse mercado de corretor, de seguro, de plano, criar essa disrupção? Qual tem sido a maior dificuldade?

Aqui vale só um contexto: na Proativa, trabalhamos só com o modelo empresarial, em que as empresas têm de gerir a saúde de seus funcionários. A gente apoia os RHs em todo o processo.

Sobre atendimento, as operadoras e seguradoras são muito arcaicas, muito complexas. Brinco que ao falar de API, ninguém tinha API para integrar com nosso sistema. A parte de atendimento não é customer success, mas bem arcaico.

Dentro da Proativa, criamos um squad de atendimento para cada cliente. Então cada cliente tem um atendimento operacional, um atendimento médico, com uma enfermeira dedicada tanto para a empresa quanto para os funcionários e de forma flexível. 

Se o cara quer mandar e-mail, vamos receber. Se ele quiser ligar, vamos atender o telefone. Se ele quiser mandar um WhatsApp, ele vai mandar um WhatsApp. Temos um atendimento flexível. E isso já passa a ser um grande diferencial no mercado.

No mercado de seguros, se você fizer um bom atendimento, já é um grande diferencial. 

A gente vem encontrando desafios a cada dia e, ao mesmo tempo, temos tornado as coisas mais simples. 

Quis trazer um olhar de tecnologia de simplicidade e não de complexidade, para depois, em algum momento, trazer mais desenvolvimento e coisas do tipo.

Quando você chega para as empresas acostumadas ao outro modelo e você vem com essa camada de atendimento, de simplicidade, de API e deixar a vida do RH mais simples, existe algum receio ou desafio por ser algo tão novo ou o pessoal já recebe bem?

É a briga positiva entre eu e meu sócio. Brinco que temos de ser mais startup na comunicação, e ele menos. É justamente para não ter essa percepção na cabeça dos RHs, que estão acostumados com um modelo muito tradicional.

Normalmente, o corretor de seguros chega de camisa e calça. A gente já chega mais despojado, com uma camisa polo, simples, básica e preta. E isso já dá um ar diferente.

Por incrível que pareça, esse não está sendo um desafio para a gente. Como o RH já está acostumado que outros serviços já evoluíram, ele aceita com um ar de “ufa, estava precisando disso”.

O RH está evoluindo em vários cenários e processos. É uma área dentro da empresa que está ganhando mais automações, processos digitais e falamos direto com o RH. É uma coisa muito natural. E óbvio que tomamos cuidado sempre para nos adequarmos.

É como atender qualquer cliente. A gente faz o que ele quer. Se ele não quer um processo extremamente digital, não vamos deixar de atendê-lo. Mas, ao mesmo tempo, sempre tentando evoluir, tentando colocar na cabeça dele que pode ser mais tradicional, mas mais eficiente pensando em automações, em deixar a coisa mais fluída e mais simples.

Já que falamos de RH, o episódio 15 foi com a Fabile Migon, da Zoop. Ela é head de RH. Falamos sobre boas práticas de RH para épocas de crise. 

Voltando um pouco, nos conhecemos há quase 10 anos. Você já teve várias empresas. Algumas fizeram sucesso, outras acabaram fechando. Isso faz parte da vida do empreendedor. Gostaria até que fosse menos um mito isso de mudar empresa, fechar ou ter sucesso. E queremos fazer as perguntas difíceis. Somando todas essas empresas, qual você acha que foi o maior erro que cometeu ao longo desses anos?

Essa pergunta é muito interessante. Acho que a base do meu maior erro como empreendedor é o que me faz refletir sobre o falir ou deixar uma ideia de lado e partir para outra coisa.

O maior erro foi no começo, quando estava com a minha primeira empresa, e eu achava que estava prestando contas e fazendo uma coisa legal para outras pessoas e não para mim. Estava criando a empresa quase que para os outros. 

É difícil enxergar isso, porque você, como empreendedor, vai criando na sua cabeça o que é importante e relevante para você. Um grande erro que tive no começo da minha vida como empreendedor era achar que a opinião dos outros era mais importante que a minha. 

Vi que tenho de escutar os outros, mas o que acho e, principalmente a empresa, a importância é para mim. É menos ego e fazer com que a empresa cresça. Acho que esse é o maior ego que a gente pode ter, criar uma empresa lucrativa, que dê certo.

Para todo mundo que está acompanhando a gente, o falir ou deixar uma ideia de lado, porque não está tendo a tração que você imaginava, o fracasso ou o sucesso, é você que define o que é. Às vezes, você não teve sucesso financeiro naquela empreitada, mas o que foi aprendido como pessoa, como profissional e como empreendedor está te levando para um outro caminho, que te deixará mais fortalecido para outro.

Fracasso ou sucesso, é muito importante cada um ter claro para ele. Hoje, olhando para trás, penso quem era o louco que acreditava que a gente ia fazer alguma coisa acontecer. Mas olho e falo que se eu não saísse dali e abrisse a primeira porta, as outras portas nunca iriam se abrir.

Temos de estar dispostos a errar sempre, dá a cara para bater e escutar pessoas mais experientes. E sempre fazer não as métricas de vaidade, mas as métricas de realidade de fato.

Isso é muito bom, porque há uma linha muito tênue entre ser resiliente e ser cabeça dura. Há uma hora que não faz mais sentido, que não adianta ser resiliente. Você já tentou e está só perdendo tempo, dinheiro e sanidade mental, talvez até física dentro desse processo.

Portanto, é hora de seguir em frente, colher os aprendizados e mudar. Tenho vários amigos que já passaram dessa linha da resiliência e estão só batendo cabeça. Poderiam estar fazendo várias outras coisas, crescendo na vida e como empreendedor, mas ficam fixos na ideia. Não é demérito nenhum não dar certo. 

Sucesso ou fracasso é muito pessoal. É como felicidade, é muito difícil medir. O sucesso para uma pessoa pode ser ser dono de uma empresa, ter bilhões na conta ou estar feliz e em paz. Cada um terá sua maneira de mensuração.

O instinto, às vezes, é importante. E só para fazer um adendo: as pessoas estão crendo que empreendedor é cabeça dura, que tem investidor, fornecedor e cliente. 

Chega um ponto que o empreendedor se doa muito para fazer a coisa acontecer, e ao ser persistente e ver que o negócio não está andando, você tem de ser egoísta com todo mundo e olhar para você. No final do dia, é você que carrega o piano para o bem ou para o mal. É possível ter coragem e tomar uma decisão pensando em você. 

O empreendedor pensa muito nos outros. Pensar em você é uma decisão difícil, mas é importante também.

Não é fácil, mas é válido, na medida do possível, ser vulnerável, conversar e se abrir. Já passei por várias situações em que eu queria desistir. Ficava me segurando pelos outros. Quando fui falar, a pessoa admitiu que queria sair também. A outra pessoa estava no mesmo sentimento, e os dois estavam frustrados. A conversa sempre será essencial.

Falamos de erros e dificuldades, qual foi o seu dia mais difícil ou o momento mais delicado ao longo desses anos?

Brincamos que é uma montanha russa a nossa vida. Um dia, você acha que vai ser maior que o Google. Em outro, você vai morar debaixo da ponte. E passa essa sensação até mais de uma vez por dia.

Na última empreitada que tive, estávamos negociando com um grande investidor estratégico, muito experiente, e negociávamos um contrato muito complexo. Estava tudo caminhando bem e, do nada, ele falou que se não aceitássemos uma cláusula acabaria o negócio.

Ele não sabia o quanto a gente precisava dele naquele momento, porque não tínhamos tantas outras alternativas. Quando ele falou aquilo, pensei como iríamos sair daquilo. Em parte, era um blefe, fazia parte da negociação. Foi um aprendizado, mas foi um dia em que fui do céu ao inferno em questão de horas.

Depois, as coisas se acertaram e caminharam, mas foi um dia bem desafiador para a cabeça.

O highlight é ter mais opções na mesa, saber com que você está negociando e até onde é um blefe ou realidade. Assim, você consegue se preparar melhor.

Total, mas, na hora, vou te falar que até realizar se é um blefe ou não, você já pensou em tudo o que é possível e impossível.

Falamos de erro e dificuldades, vamos falar de coisas boas. Qual foi seu maior acerto até hoje?

Frase do meu pai: o maior acerto é abrir a primeira porta. Empreendedor está no sangue.

Estagiei em duas empresas, morei fora, tinha 300 ideias na cabeça, fui fazer o meu TCC da faculdade. Não queria fazer aqueles trabalhos que você nunca mais vai usar na vida. Pensei em tentar algo que eu pudesse colocar em prática.

Com a cara e a coragem, comecei a fazer o trabalho. O negócio foi ficando legal. Abri a primeira porta, me demiti, saí e comecei meu negócio.

Meu pai sempre me perguntava o que eu achava. Falei: “você quer empreender, a primeira porta é você quem tem de abrir, ninguém vai abrir para você”. 

A primeira porta foi meu maior acerto de fazer o que gosto, o que amo e seguir a vida empreendendo.

Acho isso interessante, porque conecta muito com a minha história. Foi bem parecida. Meu irmão é concursado, defensor público e cinco anos mais velho. Estou falando de 2010, 2011, a internet era tudo mato e concurso público estava no auge. 

Eu fazia administração, era presidente da empresa júnior, trabalhava na consultoria, numa empresa de massa e biscoito que era a oitava maior do mundo. Fazia FGV, tinha “uma carreira brilhante pela frente”. E não era feliz. Odiava meu emprego. Não pela empresa, mas por mim mesmo. 

Não queria concurso, porque não queria a vida do meu irmão. Sou mais dinâmico. A vida dele é mais travada. E não tem certo ou errado, é só perfil. Não tinha dinheiro para abrir uma franquia. 

Estava bombando negócio de internet, fui fazer internet. Larguei tudo, saí da faculdade, não me formei até hoje. Larguei o emprego, passei dois anos sem ganhar salário, fui investir na ideia. Houve outros loucos que investiram na gente e deu tudo certo no final.

A gente se propôs ao desafio, a abrir a porta. Poderia ter dado errado, mas haveria o aprendizado. Isso acaba criando casca.

Você vai criando musculatura, formando sua cabeça como profissional. Sempre batemos papo que empreendedor fala com executivo, CEO, presidente da empresa, CFO, no tom que precisar, porque a experiência de empreendedor é muito respeitada. 

CFO, que não foi fundador da empresa, respeita muito o empreendedor. E vice-versa, porque o empreendedor, às vezes, não tem a disciplina do executivo, mas tem skills e forças internas que um executivo não tem. Ser o 01 não é qualquer coisa, é um desafio intenso para a vida.

Concordo 100%. Voltando um pouco ao tópico do início do papo, qual tem sido a relação da Proativa com os RHs das empresas de maneira geral e, especificamente, com essa parte de saúde mental que, durante, a pandemia e quarentena, tem sido tão importante?

Deixa eu fazer um contexto rápido. Na Proativa, a gente ajuda os RHs a gerir a saúde, tudo por meio de dados. Temos cliente que tem 2 mil funcionários, 3 mil, 500. Precisa de dados. A gente analisa dados de saúde da empresa, tanto do sinistro, quanto do plano médico, de absenteísmo, atestados e por aí vai.

Em cima disso, a gente entende qual é o risco, quais os problemas de saúde que os funcionários têm. A gente cria linhas de cuidado, e cada linha de cuidado tem um plano de ação. Saúde mental é uma linha de cuidado que trabalhamos muito. 

A gente executa, faz o marketing, o growth desses planos de saúde dentro das empresas com os RHs.

Antes do coronavírus, já usávamos a telemedicina, já tínhamos atendimentos com psicólogos e terapeutas via vídeo, online. Havia programa para gestante, para diabéticos, casos oncológicos. 

Depois do coronavírus, estamos trabalhando o plano de retomada. Saúde mental é algo que já era uma realidade. Burnout virou um CID, que é um código de saúde. As pessoas são afastadas por burnout.

Já era um tema delicado e muito falado. Agora, pós-coronavírus, só se intensificou, porque o ser humano, naturalmente, quando sai da zona de conforto, mexe no bolso dele, na cabeça dele, só vê notícias ruins, mexe com a cabeça de todo mundo. 

As empresas terão de se preocupar com isso. Será uma realidade que vamos vivenciar. E, por incrível que pareça, é uma doença que não conseguimos tangibilizar, mas ela é responsável por muitos funcionários afastados. O funcionário está lá, mas não está trabalhando. 

E a gente lida sobre esse assunto de uma forma muito transparente com o RH. Falamos que se você nunca comentou sobre esse assunto com seus funcionários, não adianta querer colocar todas as soluções disponíveis, porque não vai dar certo. É uma construção.

Primeiro, você precisa quebrar uma barreira de trazer e começar a falar desse assunto. Treinar a liderança da empresa, os gerentes, os diretores a saber identificar o que é isso. Como você identifica que um colaborador está com um problema de saúde mental? 

Vimos um caso de uma gerente que virou diretora e não sabia falar não, porque não estava pronta para aquele momento. E quem vai falar não para uma promoção.

E, no final do dia, aquela promoção fez uma gerente de sucesso virar uma diretora com um problema de saúde muito grave.

Há N soluções. O que falamos é que saúde não se implementa do dia para a noite. É um trabalho de educação, conscientização, de mostrar soluções, acompanhar, tratar o assunto e deixar um sigilo médico é muito importante. Tem muito colaborador que tem medo de falar com o RH que está com um problema e achar que o RH vai demiti-lo. 

Isso tudo são boas práticas que o RH precisa colocar para começar a tratar do assunto e ter soluções.

Já estamos apoiando alguns RHs com isso. A demanda está crescendo cada vez mais, e vai crescer cada vez mais. 

É muito bom isso. No episódio 12, falei com o Lucas Morello sobre isso, qualidade de vida, burnout. Foi um papo bem aberto. Infelizmente, ainda são um tabu doenças mentais, depressão ou qualquer outra coisa de estresse. 

É muito tratado como mimimi, como frescura, porque não é algo tangível. Você não consegue ver como uma febre. Seria muito bom se houvesse mais empatia, se as pessoas entendessem mais sobre esses temas. Essa parte de educação que vocês estão propondo é muito legal. 

Isso me deu um gancho. Queria entender como funciona do seu lado. Você teve a primeira empresa, que era de arquitetura. Depois, você foi trabalhar numa consultoria de inovação. Depois, você vai para uma empresa de decoração e agora está num mercado de saúde. Em determinados momentos, são mercados completamente diferentes. 

Como funciona do seu lado empreendedor a busca por um novo mercado? Como é essa busca? Com livros, cursos, networking, troca de ideias, é um mercado que você se apaixona? Há algum racional por trás ou as coisas vão acontecendo?

Networking é algo que ajuda muito. Leitura, não tem muito como fugir. Numa empresa de saúde, de decoração, arquitetura ou qualquer outro mercado, a parte de business, de fazer o negócio acontecer tem muita similaridade. 

O que me encanta é o desafio de fazer a coisa, independentemente do mercado. E aprender a gostar do mercado, achar um propósito de por que estou me envolvendo com aquilo. 

Aqui, estamos falando de vida, de saúde, que move todo ser humano, poder ajudar alguém. Recebemos feedbacks de pessoas mais ou menos humildes. E isso me encantou muito de poder ajudar e contribuir com esse mercado de saúde.

Acho que era algo que natural. O mercado de arquitetura e decoração foi pela experiência. Mas de saúde, foi networking. Aprendi a entender o propósito que estava buscando no mercado.

O que me encanta é achar aquele caos, a oportunidade, tirar a burocracia, deixar as coisas mais simples e empreender.

E só para fechar, recomendo que todo mundo olhe diferentes mercados sempre, porque você consegue trazer coisas que estão fazendo no mercado de beleza e podem ajudar no mercado de decoração. No mercado de RH, há algo que pode ajudar na saúde. 

Ao prospectar clientes e atender, todos querem encantar. Em cada empresa, você consegue pegar uma coisa boa de cada mercado e aplicar na sua.

Se você é privilegiado de ter tempo para fazer esse estudo e ter uma reserva financeira que não te preocupe, a probabilidade de achar um mercado que te encante, que você tenha um produto ou um serviço diferenciado, é muito maior.

O pessoal da Linkana, que entrevistamos no episódio 11, um dos fundadores tinha uma empresa de eventos, vendeu e passou um ano até achar essa ideia. Nesse meio tempo, ele queria criar uma empresa para vender flores online e depois mudou para uma empresa que ajuda o setor de compras e procurement das outras. É um negócio completamente diferente.

Chegando na parte final do nosso podcast, vamos falar de assuntos não tão relacionados a negócios. Para começar, há alguma dica de livro?

Tem um livro que eu já tinha lido há bastante tempo e meu sócio me deu para lermos juntos de novo. É do Tony Hsieh, o cara da Zappos. Esse é um livro demais, e que qualquer empreendedor tem de ler. Se você está vendendo algo, você tem de encantar alguém. O livro resume bem isso.

E tem uma sacada genial no livro. Ele fala que tirou o investimento que tinha em marketing para trazer novos clientes e passou a investir nos clientes atuais para eles falarem bem. Isso me move muito.

Dentro da Proativa, eu e meu sócio e todo o nosso time temos a cultura de que o cliente é rei. Nosso nome é muito claro. Sempre lidamos com nosso cliente de forma proativa. Não esperamos o problema chegar. Sempre somos proativos tanto na saúde do funcionário do nosso cliente ou com o próprio RH, sempre buscamos garantir a satisfação de todos.

Livro satisfação garantida

Não li esse livro ainda. Foi indicação do Marcus no episódio 7. Achei engraçado que na Agência Papoca, não temos time de marketing nem de vendas e todos nossos esforços estão dentro dos clientes. Nosso modelo é, exclusivamente, esse. Tem funcionado muito bem. É óbvio que não é tão escalável quanto o da Zappos, mas, para nossa realidade de sucesso, estamos muito felizes. 

Continuando, tem alguma dica de filme ou série?

Uma que me fez fiquei ficar apaixonado por séries foi House of Cards. Todo mundo que assiste gosta e é muito legal.

Empreendedor fica 24h com a cabeça no negócio. É importante tirar um pouco o foco e olhar um assunto que não vai te agregar de forma clara no negócio, mas viciei em House of Cards.

 

Tem que ver, porque é magistral. E tem alguma dica de meio em que você consome conteúdo? Pode ser outro podcast, um blog, um Twitter ou algo que você consome.

A dica que vou dar é um link para conhecer e ver outros mercados. O pessoal do grupo da XP tem um podcast muito legal e entrevistam donos de fundos, caras que investem em empresas, donos de empresas de vários mercados.

É muito legal, porque você abre a cabeça e vê que, às vezes, uma empresa gigante tem um problema como o seu. Ou uma solução que ela está aplicando pode ser aplicada na sua.

Ver a história dos empreendedores de sucesso financeiro é motivador e gosto bastante de escutar. É o Stock Pickers

Michel, há alguma pergunta que eu não tenha feito, mas que você gostaria de falar e deixar como mensagem final?

Foi completo, muito gostoso, um prazer. Deixamos algo que conversamos sempre deixar como podcast. Falamos tudo. 

Agora é o momento jabá. O que você quiser falar de Proativa, projeto pessoal, deixar sites, links… O espaço é seu.

A Proativa é uma corretora de seguros de saúde. Somos especializados em saúde. Nosso foco é empresarial. São empresas acima de 100 funcionários. É onde conseguimos gerir a saúde, tornar o RH mais estratégico, olhar cada funcionário e buscar um contrato equilibrado, em que o sinistro seja bom.

E temos um braço em que nosso foco é em PME (pequena é média empresa). Apoiamos a Digilandia e fazemos ações comerciais de incentivar. É um momento de crise, todos estão revisitando custos. Nós nos dispomos a ajudar PMEs a encontrar alternativas mais em conta, com custo-benefício para este momento. 

Podemos apoiar qualquer RH, com foco mais consultor e estratégico no empresarial. E no PME, é mais como o mercado funciona, olhando oportunidades ou custos a serem revistos.

Para quem quiser, temos o site proativaseg.com.br

A Proativa, eu Michel e meu sócio Roberto temos como cultura encantar os clientes e crescer com eles.

Acesse o Clube de Descontos da Digilandia e receba um cupom de desconto para usar os serviços da Proativa:

Clube de Desconto Digilandia

Comentários

Este blog tem o orgulho de ter o apoio destas marcas:
Salvar