Descubra quais são os principais tipos de investimentos alternativos e qual a diferença dos tradicionais

Quando tratamos de investimentos, geralmente vêm à mente títulos de renda fixa ou variável. No entanto, existem os investimentos alternativos, menos populares no mercado, porém tão interessantes quanto. 

No Brasil, eles ainda aparecem de forma tímida. De acordo com a InfoMoney, esse tipo de negociação recebe apenas 5% dos aportes institucionais, enquanto nos Estados Unidos essa categoria de ativos ganha relevante espaço.

Mas será que vale a pena mudar essa visão no Brasil? Para deixar mais claro, ao longo deste artigo,  vamos explicar o que são investimentos alternativos, para que servem, seus prós e contras, e seu funcionamento. Acompanhe a gente!

O que são investimentos alternativos?

Investimentos alternativos são ativos integrados à economia real e pouco previsíveis, além disso, são considerados de alto risco.

O termo “alternativo” vem da ideia de que esse tipo de ativo não se enquadre nos moldes tradicionais, geralmente dedicados às aplicações em renda fixa (Tesouro Direto, CDB, Fundos Imobiliários) e renda variável (ações, por exemplo).

Outro ponto é que essa modalidade possibilita que as pessoas realizem financiamentos ou se tornem sócias de projetos imobiliários, agronegócios, setor comercial, geração de energia ou distressed assets (ativos judiciais).

Entre os principais modelos de investimentos alternativos, enquadram-se o Bitcoin e as criptomoedas, além dos Colecionáveis, como carros, vinhos, arte, selos, entre outros que veremos em breve. 

Quais as diferenças entre investimentos alternativos e tradicionais?

Três fatores mostram a diferença entre os investimentos alternativos e os tradicionais. São eles:

  • Correlação: os investimentos tradicionais têm boa correlação com os mercados, diferente dos alternativos, que não andam com os tradicionais; 
  • Liquidez: os investimentos alternativos são conhecidos pela baixa liquidez, enquanto os tradicionais primam pela liquidez mais alta e vantajosa;
  • Decisão dos ativos: os investimentos alternativos são aqueles que têm mais chance das pessoas envolvidas saberem o que estão negociando. Na maioria das vezes, nos tradicionais, não há domínio sobre os ativos, como acontece com os Fundos Imobiliários. Afinal, nem sempre há certeza de quais imóveis compõem o portfólio.

Prós e contras dos investimentos alternativos

Prós

  • Possibilidade de bons retornos;
  • Pouco afetados por crises financeiras;
  • Conseguem se proteger da inflação.

Contras

  • Maior risco;
  • Baixa liquidez;
  • Não são indicados para objetivos de curto ou médio prazo;
  • Baixa fiscalização ou regulamentação.

Tipos de investimentos alternativos

Conheça os principais tipos de investimentos alternativos:

Private Equity

Private Equity são fundos de gestão ativa advindas das participações em empresas de capital fechado. 

O ciclo desse investimento é da seguinte maneira:

  • Inicia com investimento alto de capital;
  • Passa por um período de aportes estáveis;
  • Período de venda da empresa ou abertura na bolsa de valores.

Vale ressaltar que existem vários tipos de empresas de Private Equity, cada uma com suas características, como a localização geográfica, por exemplo.

Venture Capital

Os fundos de Venture Capital se assemelham aos de Private Equity, a grande diferença é que as empresas que recebem os aportes são geralmente startups. Em muitos casos, ainda nem houve lançamentos de produtos ou serviços.

Infraestrutura

Os fundos de infraestrutura têm a mesma dinâmica dos de Private Equity em relação à estrutura e funcionamento, a diferença está no tamanho e no risco. Aqui os projetos são mais ambiciosos, como a construção de uma rodovia.

Logo, a carteira não costuma ser diversificada, e, em muitas vezes, entra em apenas um único leilão, por outro lado, os investimentos alternativos são mais seguros do que os tradicionais.

Criptomoedas

As criptomoedas se popularizaram em 2008 com a chegada do Bitcoin, atingindo em pouco tempo o mesmo poder de alcance do dólar. As transações são protegidas por criptografia e registradas no blockchain, seguro e amplo banco de dados.

Segundo levantamentos do setor, publicados pela CNN Brasil, estima-se que existem entre 10 mil e 15 mil criptomoedas em circulação.

Entre suas características, os preços oscilam de acordo com as especulações do mercado, e como não atingem a maioria das pessoas, os ativos são altamente voláteis.

Por isso, que as exchanges de criptomoedas, ou corretoras, são essenciais para entender e lidar com a movimentação dos valores. 

Investimentos alternativos valem a pena?

Como podemos notar, os investimentos alternativos são bastante atrativos e podem fazer parte do portfólio de quem busca elevar seu patrimônio por meio de produtos inovadores e ambiciosos.

Seu foco está na proteção das pessoas contra as variações do mercado tradicional. Apesar da baixa liquidez, os ativos alternativos são bem requisitados. Desse modo, é possível se beneficiar com esse tipo de aplicação. 

Comentários

Salvar