Já ouviu falar nas plataformas Crowdfunding? Aprenda a investir nos projetos cadastrados e saiba escolher o melhor tipo para seu empreendimento

Fazendo jus ao ditado: “a união faz a força”, as plataformas Crowdfunding trazem para o Brasil o conceito de “financiamento pela multidão”.  Basicamente, são tipos de financiamento coletivo, que popularmente são conhecidos como “vaquinhas virtuais”.

Tal colaboração foi regulamentada em 2017 pela Comissão de Valores Mobiliários, a CVM. Desde então, essa se tornou uma das formas mais utilizadas para arrecadação de dinheiro para fins, na maioria das vezes, sociais. 

Após a regulamentação, as plataformas de Crowdfunding cresceram mais de 10 vezes no Brasil. Essa ascensão chegou a 43%, movimentando R$ 84,4 milhões só no ano de 2020

Ainda segundo a pesquisa realizada pela CVM, as plataformas de Crowdfunding tiveram um crescimento de 23% no número de investidores. E a popularização deste meio de financiamento coletivo mostra que todos têm benefícios.

Esses sites são, claramente, reflexos das novas formas de consumo que a internet nos trouxe. Há anos, mudamos a forma como cada projeto é tirado do papel e exposto para as pessoas. Entretanto, com a vasta diversidade de plataformas Crowdfunding, como encontrar a que mais se adequa às suas necessidades.

E é esse o objetivo do artigo de hoje, falar um pouco mais sobre essa ferramenta, mostrar como ela funciona, quais são as vantagens, os riscos. E, é claro, daremos algumas indicações das melhores plataformas de Crowdfunding que você pode utilizar. Vamos lá?

Plataformas de Crowdfunding: o que são e para que servem?

O requisito básico para se encaixar nessa ferramenta é ser um empreendedor em busca de investidores para o seu projeto. Por exemplo, a iniciativa pode fazer parte de vários setores, como:

Crowdfunding é uma forma “mais rápida” de arrecadar fundos para a realização de seus projetos, pelo financiamento coletivo. A transação pode ser online ou física, mas geralmente é pela internet que tudo acontece. Plataformas específicas são destinadas a divulgar campanhas, agrupar valores, entre outras funções.

Os sites de investimento podem captar esses recursos das mais diversas origens: grandes empresários, pessoas físicas, investidores e afins. Assim, todo mundo que se identifica com o projeto ou a causa que você defende pode apoiar financeiramente.

Mesmo que o objetivo final seja levantar dinheiro, esses projetos vão além disso. A ideia se baseia  na união econômica colaborativa e na junção de várias pessoas que tenham o mesmo propósito. E mais: a realização de sonhos e projetos podem se tornar enormes.

Plataformas Crowdfunding: vantagens e riscos

Todo investimento é um risco. Por mais que você tenha 100% de certeza que um determinado projeto dará certo, nunca é possível prever o sucesso total daquele valor aplicado. 

Com o Crowdfunding não é diferente. Existem vantagens e riscos em se investir nesse tipo de plataforma e vamos falar sobre eles agora.

Vantagens

Falando primeiro sobre 6 pontos positivos das plataformas Crowdfunding, são eles:

  1. possibilidade de gerar uma renda passiva, com projetos que tenham alto crescimento;
  2. lastro em bens reais (garantias contratuais);
  3. baixa oscilação;
  4. mercado regulado e fiscalizado;
  5. alta rentabilidade;
  6. proteção contra a inflação.

Riscos

Mesmo com alta rentabilidade e baixa volatilidade, esse investimento não dá a possibilidade de resgate dos recursos antes do prazo, ou seja, não tem liquidez. Por isso, é indicado para projetos a longo prazo, como construção civil e ampliação de patrimônio, por exemplo.

E o maior risco deste tipo de investimento é a inadimplência dos projetos, já que quando se aplica dinheiro, está trabalhando com uma operação em dívida. Portanto, a recomendação é “não colocar todos os ovos na mesma cesta”.

5 tipos de plataforma Crowdfunding

Mesmo que tenham um objetivo em comum, as plataformas Crowdfunding podem atuar em diferentes teses de investimento e nichos específicos do mercado. Hoje, vamos te mostrar cinco possibilidades. Confira!

1. Equity Crowdfunding

Neste modelo, os investidores podem se tornar sócios dos empreendimentos que tenham interesse em aplicar algum valor. Então, eles entram como sócios do projeto e podem participar dos resultados que forem obtidos, por meio das remunerações periódicas (participação no lucro).

É uma das formas mais seguras de se investir neste meio. Em geral, empresas chamadas de SPE (Sociedades de Propósito Específico) são criadas para cada projeto, que podem ser de curto, médio ou longo prazo, indo de meses a décadas.

2. Crowdfunding imobiliário

As plataformas de Crowdfunding imobiliário aplicam-se em etapas importantes de uma incorporação, como a fase de lançamento. Neste caso, a captação destes investidores é de extrema importância, já que existem poucas  linhas de crédito para essa finalidade.

Com isso, os investidores que estejam interessados podem aportar seu capital para financiar essa etapa do empreendimento. Por exemplo, pode-se receber em troca os juros sobre o valor investido, mas isso costuma resultar em retorno bem abaixo do esperado.

3. Financiamento coletivo (vaquinha virtual)

Esse modelo é bem conhecido e simples de ser entendido. É basicamente o site que hospeda uma plataforma de financiamento coletivo. Ele pode fornecer crédito tanto para empreendedores, quanto para pessoas físicas que estejam precisando no momento.

5. Peer-to-peer (P2P) Lending

Esse é um modelo pouco conhecido e usado. As plataformas P2P permitem que um grupo X de investidores ofereçam empréstimos às pessoas ou empresas, sem intermediários. Precisando passar apenas por uma análise de crédito para a segurança dos investidores.

6. Ativos judiciais

Essas plataformas oferecem a oportunidade de investir em ativos precatórios federais. São dívidas da União, que foram reconhecidas pela justiça e que não podem mais caber recursos judiciais. 

Logo, essas dívidas são incluídas no orçamento anual seguinte e, depois, vendidas com deságio no mercado.

Crowdfunding no Brasil: as 6 melhores plataformas

1. Catarse

Uma das pioneiras no mercado das plataformas Crowdfunding no Brasil, a Catarse existe desde 2011. Ela já teve mais de 16 mil projetos inseridos no site, gerando um valor de mais de R$ 177 milhões direcionados a esses empreendimentos.

Cerca de 909 mil pessoas apoiaram, ao menos, uma de suas iniciativas. Dentro deste site existem vários nichos, mas a criação foi inicialmente pensada para incentivar projetos de arte, ciência, cultura, ativismo e empreendedorismo.

2. Kickante

A Kickante, criada em 2013, já hospedou mais de 70 mil projetos, envolvendo artes, educação, meio ambiente, empreendedorismo etc. O site não cobra o lançamento de campanhas para os usuários ou taxas para os apoiadores.

3. Benfeitoria

A Benfeitoria viabiliza projetos inovadores e que fomentem a cultura do Brasil desde 2011. Segundo eles, essa foi a primeira plataforma do mundo a não cobrar comissões e a primeira nacional a ter novas modalidades de financiamento coletivo, como Matchfunding e Recorrente.

No ano de 2021, mais de 100 projetos paulistas foram inseridos no site. Em paralelo, a arrecadação foi de  R$ 23 milhões para todos os empreendimentos cadastrados na plataforma.

4. Vakinha

Lançada em 2009, a Vakinha lança vaquinhas online para pessoas em situação de vulnerabilidade ou que precisem de recursos financeiros para arcar com tratamentos médicos. Nesse sentido, a iniciativa ainda ajuda  ONGs e outras instituições sociais.

5. Idea.me

Já a Idea.me não se trata de uma plataforma exclusivamente brasileira, mas sim latino-americana. Ela abrange os países: Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, México, Uruguai e, também, Estados Unidos. 

Essa plataforma trabalha com projetos dos mais variados temas, desde cultura, arte, empreendedorismo, entre outros. Funciona com modelos “Tudo ou Nada” e “Flexível”, dependendo do projeto e do valor a ser investido pelo usuário.

6. Juntos.com.vc

Ao contrário das outras plataformas que mencionamos anteriormente, a Juntos.com.vc trabalha apenas com projetos sociais. Isto é, se sua ideia de negócio é voltada para algum projeto social ou ONGs, essa é a ferramenta perfeita.

Nela, o criador do projeto não precisa pagar taxa de utilização, por exemplo, arcando apenas com os valores referente às suas transações bancárias. Mesmo sendo uma plataforma recente, sendo criada em 2016, ela arrecadou mais de R$ 6 milhões em doações e apoiou cerca de 400 projetos cadastrados.

Crowdfunding = investimento social e mais seguro

E então, o que você achou desse modelo de investimento? Já conhecia? Essas são algumas das dezenas de plataformas Crowdfunding no Brasil. Além disso, há as que são sediadas em outros países, mas atendem empreendimentos brasileiros, como a Experiment, que é dedicada ao financiamento de pesquisas científicas.

Esta é uma boa oportunidade de ambas as partes serem beneficiadas de alguma forma, tanto investidor, quanto empresário. No fim das contas, o investimento é considerado seguro e pode chegar a valores altos.

Gostou do artigo de hoje? Se ainda tiver dúvidas e quiser saber mais, separamos um conteúdo especial sobre como e onde aplicar seus investimentos.

Feito para você: ideias para ganhar dinheiro extra com pouco investimento em 2022

Comentários

Salvar