Investir em imóveis é uma das modalidades de investimentos mais tradicionais no Brasil. Muito provavelmente, se você já conversou sobre investimentos com outras pessoas e esse assunto entrou na conversa.

Por isso, se você quer saber se investir em imóveis vale a pena e como fazer isso, continue lendo esse texto.

Por que investir em imóveis?

O mercado da construção civil é importante para a economia brasileira e, antes de entender as principais formas de investir em imóveis, vamos entender as razões para isso.

Se você está se perguntando quais são os motivos para esse tipo de investimento, confira abaixo:

  • Proteção patrimonial: os imóveis ao longo do tempo possuem a tendência de não apenas serem reajustados, mas que tenham uma valorização maior do que a inflação.
  • Liquidez: existem possibilidades de investimento no mercado imobiliário que possuem alta liquidez.
  • Rendimentos mensais: é possível conseguir rendimentos mensais com aluguéis a partir dos seus imóveis.
  • Diversificação: ter imóveis permite que você tenha mais diversificação em sua carteira de investimentos.

Por esses motivos, é uma boa ideia considerar o investimento no mercado imobiliário. Mas afinal, como investir em imóveis? Veja na sequência quais são as principais maneiras de aplicar nesse mercado.

Como investir em imóveis?

Existem duas formas principais de investir em imóveis. A primeira delas é comprando diretamente os imóveis, e a outra é por meio da Bolsa de Valores.

Cada uma delas tem suas vantagens e desvantagens. Confira como funciona cada uma delas:

1. Comprando imóveis diretamente

A maneira mais simples de investir em imóveis, seja para lucrar com sua compra e venda ou para receber um aluguel mensal, é comprando diretamente o bem.

Esse meio de investir é o mais comum e famoso dentre os que listamos a seguir. Porém, essa forma encontra algumas dificuldades.

A primeira delas é que, para comprar um imóvel, você precisará desembolsar um valor alto ou contratar um financiamento que, via de regra, possui juros altos.

Além disso, toda a administração do imóvel deverá ser realizada por você, e todos os custos enquanto não vende nem aluga são seus.

Porém, apesar disso, você terá toda a liberdade para destinar os imóveis para o fim que desejar e poderá escolher qual imóvel comprar de acordo com seus estudos e objetivos.

2. Comprando cotas de Fundos Imobiliários

Os Fundos Imobiliários, também chamados de FIIs, são uma forma de investir em imóveis que está se popularizando no Brasil.

Ao investir em um FII, você participa do Fundo com uma fração do patrimônio total, que está sendo administrado por um gestor que irá usá-lo para investir no mercado financeiro.

Basicamente, existem diversos tipos de Fundos Imobiliários:

  • Fundos de tijolo: esses fundos investem em ativos físicos;
  • Fundos de papel: investem em ativos de renda fixa que estão vinculados ao mercado imobiliário;
  • Fundos híbridos: neles, há investimento em ativos físicos e em ativos de renda fixa.

Porém, existem subdivisões em cada uma dessas modalidades. Por exemplo, nos fundos de tijolo podemos encontrar FIIs de lajes corporativas ou FIIs de shoppings.

O grande diferencial da maioria dos FIIs disponíveis é que cada cotista recebe o aluguel dos ativos pertencentes ao fundo conforme a sua participação no patrimônio dele.

Ou seja, você pode receber aluguel de imóveis sem precisar desembolsar o valor que o imóvel vale para comprá-lo. Além disso, esses rendimentos são isentos de imposto de renda.

Esse é um investimento em renda variável, por isso, é preciso analisar o seu perfil de investidor e suas metas financeiras para descobrir se essa é uma opção interessante para seu caso.

3. Comprando LCI

A LCI, ou Letra de Crédito Imobiliário, é um investimento de renda fixa que está vinculado ao mercado imobiliário.

Nessa modalidade, o investidor empresta dinheiro aos bancos ou instituições financeiras para que elas financiem o desenvolvimento de projetos relacionados ao mercado de imóveis.

A vantagem deste investimento é que, ao aplicar, você já consegue saber quanto terá de rendimento se deixar o dinheiro investido até o vencimento do título. E também ele não tem a incidência do Imposto de Renda.

Além disso, o Fundo Garantidor de Crédito assegura o recebimento de até R$ 250.000,00 por banco, caso a instituição financeira venha a falir. Isso torna esse investimento muito seguro.

Porém, como ele é um investimento em renda fixa, dependendo das suas escolhas, a  renda variável pode oferecer um retorno financeiro maior.

4. Comprando CRI

O CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários) também é uma forma de investir em imóveis por meio da renda fixa.

Ao comprar um CRI, o investidor “empresta” seu recurso para uma empresa do mercado imobiliário, que irá pagar o valor com os juros combinados na data de vencimento do CRI.

Muitos dos Fundos Imobiliários de Papel possuem em sua carteira de ativos o Certificado de Recebíveis Imobiliários.

5. Comprando ações de construtoras

Existem construtoras no mercado financeiro que têm suas ações negociadas na Bolsa de Valores.

É importante destacar que, com a compra de ações dessas empresas, não se está investindo em imóveis, mas em empresas que atuam no mercado imobiliário, tornando-se sócio delas.

Nesse tipo de investimento, não é preciso ter uma grande quantidade de dinheiro para começar a investir, uma vez que as ações podem ser compradas de pouco em pouco.

Além disso, ao se tornar proprietário das ações, é possível ganhar dinheiro com a sua valorização ou recebendo dividendos, caso a empresa opte por distribuir parte do lucro.

Porém, é preciso tomar cuidado e fazer boas escolhas. Esse é um investimento em renda variável que pode gerar prejuízo se o valor da ação cair.

Vale a pena investir em imóveis?

Sim, o investimento em imóveis vale a pena se feito de maneira consciente e respeitando uma estratégia de investimento que preza pela diversificação e proteção patrimonial.

Porém, uma dúvida muito comum que surge quando vamos investir é: quais são os melhores ativos que eu posso comprar?

Por isso, é importante contar com uma assessoria especializada em investimentos para ter mais segurança ao investir.

Se você se encaixa em alguma das opções abaixo:

  • Tem R$ 30.000 em investimentos no Santander e uma renda mensal a partir de R$ 10.000,00;
  • Tem a partir de R$ 150.000 em investimentos elegíveis;
  • É médico.

Você pode abrir a sua conta Santander Select e ter acesso à assessoria especializada em investimentos do banco para fazer as melhores escolhas. Além disso, você pode usufruir de diversos benefícios exclusivos, como:

  • Acesso a mais de 850 salas VIP Mastercard e mais de 1.000 salas VIP Visa.
  • Atendimento personalizado e assessoria com especialistas.
  • Chat exclusivo disponível 24h por dia.
  • Isenção de tarifas em transferências internacionais, saques, compra e venda de moedas.
  • Pontuação no programa Esfera ou Membership Rewards (dependendo do cartão).
  • Mais de 200 espaços de atendimento com conforto e privacidade.
  • 50% de redução na anuidade dos cartões de crédito elegíveis.

Abra sua conta Select e comece hoje mesmo a potencializar seus investimentos:

Santander Select

Cliente Santander Select conta com assessoria especializada para seus investimentos.

Cliente Santander Select conta com assessoria especializada para seus investimentos.

URL verificada